MARTIN LINDSTROM VEM A PORTUGAL: “PARTILHAR ALGUMAS HISTÓRIAS ‘DE BASTIDORES“

O Branding Futurists e Autor de bests sellers sobre Customer Experience Transformation, Martin Lindstrom é presença confirmada no evento da CEGOC: Business Transformation Summit 2018. Lindstrom foi considerado pela revista Time como uma das 100 pessoas mais influentes da atualidade e uma das Top 10 Voices in Social Media and Marketing pelo Linkedin, e vem a Portugal apresentar tema verdadeiramente impactantes para o futuro das empresas em Portugal.

Em entrevista ao RHonline Martim Lindstrom desvenda algumas das ideias que irá apresentar na cimeira do próximo dia 9 de outubro, no Centro de Congressos de Lisboa.

RHonline (RH): Estudou os cérebros dos consumidores, porque é que decidiu fazê-lo?
Martin Lindstrom (ML): Logo depois de concluir o maior estudo sensorial ao nível mundial apercebi-me de que é praticamente impossível pedir aos consumidores as suas impressões sobre um cheiro ou toque. Quero dizer, quando perguntamos: comprou este produto porque, inconscientemente, o cheirou? Ninguém é capaz de responder a uma pergunta assim e, portanto, pensei – ‘porque não aproximar-me do centro de controlo: os nossos cérebros’, o que nos levou a desenvolver o projeto global Buyology.

RH: Qual é o perfil do consumidor moderno?
ML: O perfil não é especialmente positivo: stressado, moderadamente deprimido, tem a sensação de estar sempre atrasado, está raramente presente, é muito cínico e está sempre em busca de algo melhor e mais estimulante.

RH: Acha que ainda há muita coisa para explorar relativamente ao comportamento do consumidor?
ML: Sem sombra de dúvida – esta é a fonte de todas as grandes inovações – não os Big Data – e, portanto, é uma dimensão com uma importância incrível para saber como irão decorrer a comunicação, o desenvolvimento das marcas, a cultura e a transformação das empresas. A questão é esta – o mundo dos negócios acredita acima de tudo que o consumidor é profundamente irracional – pelo que tem de ser tratado assim – mas a realidade é o oposto. Aproximadamente 85% de tudo o que fazemos vem do subconsciente – um espaço que só podemos explorar e tentar compreender através dos Small Data.

RH: O seu último livro chama-se “Small Data: The Tiny Clues That Uncover Huge Trends”. O que é que encontramos nesta publicação?
ML: Podemos aprender como é que a LEGO teve uma grande viragem graças aos Small Data, que temos duas idades – a idade real e o que chamo de idade gémea – que define o nosso comportamento – e porque carregamos com mais força no comando quando as baterias estão fracas! É um mergulho profundo na nossa psicologia humana – de maneira muito diferente e fascinante.

RH: Falando de “Small Data”, que conceito é esse? E qual a sua relação com os famosos “Big Data”?
ML: Os Small Data são observações aparentemente insignificantes que as pessoas fazem no seu dia-a-dia – dados que revelam como nos sentimos e porque nos comportamos de determinadas maneiras. Resumindo, os Small Data têm a ver com “causalidade” – encontrar o “porquê” por detrás da forma como nos comportamos – os Big data tem a ver com correlação – com o “como”. O que aprendemos é que são precisos dois para dançar o tango – os big e os small data combinados.

RH: E que tipo de dicas é que os “small data” nos podem dar acerca das tendências dos consumidores?
ML: Por exemplo, como é que as comunidades estão a morrer nos EUA – ou, falando dos EUA, como é que os Small Data de facto previram os resultados das eleições presidenciais dos Estados Unidos em 2016 vários meses antes do dia das eleições – graças à nossa análise de small data das famílias no país.

RH: Alguma vez realizou um estudo acerca do consumidor português?
ML: Ainda não, lamento. Um dos poucos países do mundo – mas gostaria muito!

RH: Pode dizer-nos alguns dos temas que irão discutir no evento Business Transformation Summit em Portugal?
ML: Vou partilhar algumas histórias ‘de bastidores’ da LEGO, da Maersk, da Lowes, da SWISS International Airlines e de muitas outras empresas – que se transformaram por causa dos Small Data. Vou partilhar ideias inéditas sobre aquilo que é preciso para realmente tornar uma transformação num verdadeiro êxito – num mundo em que 95% de todas as transformações falham (segundo a McKinsey). A minha apresentação está cheia de vídeos e conhecimentos surpreendentes sobre os consumidores que certamente nunca mais irão esquecer.
 

in RH Online, 18 de junho 2018